1.6.09

War pigs

"Gripe suína provoca zumbis", ouviu essa?

Aproveitando a onda histérica criada, não sem certa dose de justificativa, com a gripe H1N1-A, até então chamada de gripe suína (em paralelo à gripe aviária, com a diferença que o vírus de agora NÃO FOI encontrado em porcos nesse surto), um espertalhão criou um site falso copiando o lay-out da BBC e espalhou por ele uma notícia de que, após algumas horas da morte clínica declarada de alguns pacientes da tal gripe, eles se levantaram, com o cérebro comprometido pela falta de oxigenação causando um surto de violência que durava alguns minutos. Os "zumbis" morriam após este surto, definitivamente.

Dezenas de sites pseudo-informativos espalharam a notícia falsa, comprovando a regra que em tempos de CNN, Foxnews, internet e Discovery channel os jornalistas esqueceram-se que as histórias precisam ser comprovadas. Foi apenas um dia, mas muita gente ficou impressionada enquanto não leram as erratas do dia seguinte.

"War pigs" é uma música do Black Sabbath, ó desavisado leitor com menos de 18 anos. Em uma época de guerra fria, era mais uma música lembrando que, no final das contas, quem resolve criar guerras não são as populações dos países, mas meia dúzia de engravatados artríticos fechados em um "bunker" com seus dólares e filhos em idade de alistamento. O Legião Urbana fez "O senhor da guerra" com a mesma idéia.

E a manchete acima liga-se a isso como?
Bom, a fúria sem canalização das pessoas neste nosso mundo com o politicamente correto encontrou uma solução para video-games, filmes B e desenhos animados trucidarem humanóides e gastar as baterias de fúria das pessoas que os assistem. É só transformar os inimigos em zumbis e a desculpa para você matar aquele ser chato na tela já está feita.

A histeria sobre a gripe H1N1-A é até certo ponto justificada. Gripes se espalham rápido, e uma delas com alta taxa de mortalidade é preocupante sim, em especial se chegar a áreas pouco estruturadas sanitariamente. Os 2 casos na Jamaica noticiados ontem, por exemplo, preocupam muito mais que os 100 casos do Japão.

Ela é muito perigosa? É, mas menos do que a gripe espanhola, com a qual muitos a comparam, especialmente por que na época da gripe espanhola a tecnologia de medicamentos estava engatinhando, e antibióticos e antivirais eram apenas um sonho. A letalidade dela é bem menor que a da gripe aviária, também, mas como surgiu ao lado do país mais escandaloso do mundo, a cobertura está tomando proporções alarmantes.

Agora somemos: uma crise financeira, um ditador falando duro com seus vizinhos, uma epidemia de gripe... é quase o cenário que antecedeu a segunda guerra mundial! Historiadores estão dando risada do potencial de pânico disso tudo.

A gripe suína não é algo com o qual se criar neuroses. Existe epidemiologia pra isso. Rastreia-se toda uma cadeia de contactantes do caso com cliques em uma telinha. Interrompe-se uma transmissão com antivirais. Monitora-se sinais vitais por aparelhos minúsculos que transmitem os dados a centenas de médicos em todo o mundo.

E não teremos zumbis para matar. Quem quiser curtir um clima bélico deve se mudar para uma das Coréias e vivenciar uma guerra que está acontecendo ininterruptamente há mais de meio século, com uma trégua que está longe de ser satisfatória reinando há algumas décadas.

2 comentários:

Adriano C. Tardoque disse...

Historiadores rindo? Ahahahah! Hora, veja só:
- No final do século XIX uma epidemia de varíola confinou na Zona Norte, depois da Ponte Grande (Tietê), os doentes, numa "quarentena" forçada. No final deste século, foram construídos um hospital e um cemitério ao lado da Capela de Santana para atender as demandas. Como não atendiam as normas de Saúde Pública, foram removidos, por conta da reclamação de moradores com temor ao contágio. Eis então que Dona Maria Custódia do Sacramento Soares doa um terreno na região do "Capão das Cobras", para sepultamentos dos mortos. Este terreno foi ampliado duas vezes 1m 1910 e 1925. Mas 20 anos depois, com a explosão demográfica, não seria suficiente para sepultar os mortos da nova epidemia: a Gripe Espanhola.
Pois é, caro Avari... Nossa região já foi zona de confinamento de epidemia!
Adriano Tardoque

Adriano C. Tardoque disse...

Ah! Não pode passar em branco: quem cuidava dos moribundos eram as irmãs do Colégio Santana, que lá abrigaram um Hospital provisório enquanto os burocratas da época, batiam cabeça para resolver o problema.