27.1.09

Caso quente


"Cold case" é um seriado exibido na televisão a cabo (Warner channel) e na TV aberta como "Arquivo morto" (SBT) acerca de uma unidade de investigação de casos arquivados e sem solução. Sem entrar no mérito da existência ou não de algo equivalente na polícia brasileira (teria muito, mas muito mais trabalho que todo o resto da polícia), queria falar aqui sobre o principal ponto a favor da série:

Todo mundo é importante.


Alguns anos atrás, lendo uma história em quadrinhos do Arqueiro Verde, onde ele e o Questão se unem para capturar traficantes de armas, ele responde, em meio a divagações sobre a "Arte cavalheiresca do arqueiro Zen", à questão do seu colega (cujo codinome vem da enormidade de perguntas feitas durante toda sua carreira a qualquer um) sobre seus motivos para ir atrás daquele caso em particular ao invés dos habituais malabarismos atrás de vilões fantasiados.

Simples. Uma criança foi morta em um avião sequestrado por uma arma translúcida ao raio X vendida por aquela gangue. Ele lembra que aquela criança poderia ter sido a descobridora da cura para o câncer, um excepcional jogador de baseball ou simplesmente um cara legal. Ninguém tem o direito de interromper o potencial de outra pessoa.

O Arqueiro Verde é personagem esquerdista assumido, mas a questão não é essa. "Cold case" se baseia integralmente nesta premissa. Todas, TODAS as vítimas mortas a séculos e cuja morte é investigada décadas depois pela equipe da senhorita Lili Rush são pessoas que poderiam ter mudado o mundo. São sempre pessoas caridosas, mesmo quando não aparentam, com enorme potencial para o bem, de vida difícil e em geral morrem por não abdicarem de seus princípios. dia ou outro, serão justiçadas, e a segunda mensagem do seriado poderia ser "não importa quem você seja hoje, a era de impunidade está acabando e serás responsável por teus passos anteriores".

A equipe de investigação é um show a parte. A protagonista é aquela coisa de sempre, mas os dois veteranos são fantásticos e o segundo investigador, interpretado pelo gorducho Jeremy Ratchford, é um ator de fazer inveja a muito oscarizado por aí. Rush sempre vê as vítimas sorrindo para ela ao fim dos episódios, quando a justiça foi feita, e alguns pensam ser uma série de temática espírita. nada mais incorreto. É uma série de investigação de estilo pré-CSI, onde as provas analisadas por ultra-tecnologia são substituídas pela boa e velha investigação dedutiva. Quando eu escrevo histórias de investigação, me inspiro neste tipo de narrativa. Estou de saco cheio de máquinas tomando o lugar de Sherlock Holmes.

Todos têm potencial para serem pelo menos pessoas legais. Toda pessoa perdida é um potencial perdido. Cada caso deixado de lado é um desestímulo para quem tenta ser legal. Todo ato de corrupção faz das pessoas boas as palhaças da sociedade.

Que muitas pessoas vejam "Cold case" e reflitam. Afinal, só eu li a história do Arqueiro Verde, mas todo mundo tem a emissora do homem do baú em casa.

E se lembrem do potencial a ser estimulado nos outros e em si mesmos.

Um comentário:

Renan J. Evan disse...

Eu gosto do episódio dos garotos, frutos da sociedade estado-unidense, que metralham os "coleguinhas", quem dera fosse ficção isso...
A série Numbers tem um episódio equivalente só que em estilo "à la Columbine", nome de uma das escolas que aconteceu isso.

Eu não conheço bem o Arqueiro Verde... serve o Hal Jordan?